O público e o privado

26 de maio de 2021 14:46

Pendenga que envolvia a demarcação de terras, recentemente, foi decidida pelo Superior Tribunal de Justiça. O caso envolveu o dote imperial da princesa Dona Francisca Carolina, a quarta filha do imperador Dom Pedro 1º com a imperatriz Leopoldina.

A discussão foi entre a União e os herdeiros reais quanto a terreno localizado em Joinville (SC), demarcado em 1990.

Os particulares tentavam obter a propriedade, sob a alegação de que são terras que constaram do dote imperial da princesa Dona Francisca Carolina, e pretendiam a nulidade do procedimento de demarcação das terras pela União.

A princesa nasceu no Rio de Janeiro, casou-se em 1843 com François Ferdinand Phillipe Louis Marie d’Orleans, filho do rei Luís Filipe 1º, da França, que se tornou príncipe de Joinville.

Com o matrimônio, o imperador incluiu porções de terra no dote, transferindo-as ao patrimônio privado.

Os lotes estão localizados em terreno de marinha, áreas ao longo da costa considerados bens públicos desde o período colonial, daí a nulidade da transferência do imperador para o patrimônio privado.

A falta de separação do público e do privado envolve as elites políticas brasileiras em toda a sua história colonial, imperial e republicana.

Usa-se o direito público para viabilizar as grandes negociatas privadas.

É assim com as bilionárias concessões públicas, na redação dos editais das contratações para permitir que os amigos ganhem os contratos.

Aliás: “Aos amigos tudo, aos inimigos os rigores da lei.”

Por exemplo, o público torna-se privado, no caso dos interesses dos financiadores das campanhas eleitorais que sempre pretendem benefícios privados e nem um pouco atender ao bem comum ou o interesse público.

O privado também se transforma em público: poderosos interesses em obras públicas, em concessões, em privatizações de empresas lucrativas, na manutenção de taxas altíssimas de juros, tudo isso torna-se assunto de deliberação pública, mas com fins, fundamentalmente, privados.

Desta feita, o dote imperial de terras públicas não se tornou propriedade privada, mas e todo o resto?

Fontes:

https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Inicio

https://www.conjur.com.br/2021-mai-25/stj-mantem-uniao-terreno-dado-dote-princesa-brasileira

Categorizados em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *